15 coisas que os pacientes estão cansados de saber e não praticam

15 coisas que os pacientes estão cansados de saber e não praticam

As doenças crônicas têm como principal característica a longa duração e a grande maioria delas não possuem cura. O sedentarismo e o avanço da idade contribuem para o seu desenvolvimento, por isto é de suma importância que você tenha hábitos saudáveis e siga as instruções que fora passada por seu médico.

A prática de exercícios, uma melhor alimentação e abandono de vícios é importante em todas as etapas da vida mas se torna ainda mais necessário quanto o objetivo é o combate da doença ou da progressão dela.

Mas por alguns motivos é possível identificar a falha dos tratamentos e o não seguimento das prescrições médicas.

O difícil acesso aos medicamentos

O difícil acesso aos medicamentos muitas vezes pode ser um dos grandes causadores da interrupção ou não adesão ao tratamento. Os medicamentos podem ser caros ou não encontrados com facilidade e, para o doente crônico, essa busca se torna cansativa dentro de uma rotina onde o mesmo necessita dos remédios diariamente.

Todo o convívio com a doença já é um fator difícil de associar e ter que lidar, portanto saber que controlar o desenvolvimento da enfermidade é um processo de busca cansativo e mensal, às vezes exigindo um financiamento que estava fora dos planos ou que não cabe no bolso do paciente pode fazê-lo desistir.

O desânimo e não compromisso com o tratamento

A tristeza e falta de ânimo ao enfrentar um tratamento longo cheio de regras e restrições pode ser encarado como um desafio para o portador de doença crônica.

Deixar de praticar hábitos ao qual já se estava habituado e ter que inserir novas atividades na vida é uma mudança repentina, necessária e que exige um compromisso com a saúde. A falta de apoio dos familiares e amigos nessas horas também contribuem para que o indivíduo resolva abandonar o tratamento a ter que mudar sua rotina.

O paciente começa não tomando seus medicamentos nos horários certos e esquecendo de fazer o uso deles algumas vezes, o que o torna ineficaz pois não está sendo ingerido da maneira correta.

A alimentação e restrição de vícios

Maus hábitos de pacientes em tratamento
15 coisas que os pacientes estão cansados de saber e não praticam

A mudança alimentar requer uma rotina saudável de alimentos ricos em nutrientes e vitaminas, com pratos coloridos e sem grande quantidade de sal. É necessário a ingestão de muita água durante o dia e principalmente abandonar doces, frituras, processados e em geral, alimentos gordurosos sem benefícios à saúde.

Além disso, o paciente deve abandonar vícios como cigarros e bebidas, que apenas prejudicam o organismo. Em processo de tratamento é essencial manter o corpo em alerta e saudável, já que o sistema imunológico deve ser fortalecido para combater a doença, e os vícios o enfraquecem.

A falta da prática de exercícios

O paciente portador de doenças crônicas deve adicionar a prática de exercícios em sua rotina diária. Se já fizer parte da do cotidiano do paciente, a atividade deve ser mantida e realizada adequadamente levando em conta a doença diagnosticada. Os exercícios devem auxiliar no tratamento sem que se tornem esforços prejudiciais.

As atividades físicas devem fazer parte da vida desde sempre mas é uma ação que nem todos colocam em prática. Inserir exercícios em uma vida sedentária pode ser difícil de torná-los um hábito. Manter o sedentarismo é uma situação grave que mantém o corpo sem resistência física, os ossos e músculos não são fortalecidos, a agilidade e flexibilidade não é aprimorada e a doença pode progredir mais rápido, principalmente quando são degenerativas e comprometem a movimentação do indivíduo.

Os pacientes sabem mas não fazem

Com base no que foi dito anteriormente, separamos 15 coisas que os doentes crônicos sabem e são alertados a seguir mas não fazem ou praticam:

1 – Horários para tomar os remédios. Manter um horário certo ajudo na eficiência do remédio e também a não esquecer de tomá-lo;

2 – Não se automedicar. É importante que todos os medicamentos sejam prescritos pelo profissional médico;

3 – Não fumar cigarros. Aos fumantes, parar o vício é uma barreira enorme para ser quebrada, mas é necessário tentar;

4 – Ingerir bebidas alcóolicas. Além de poderem reagir de forma negativa com a medicação que é tomada, é um vilão contra a saúde;

5 – A alimentação saudável. É preciso manter uma boa alimentação para que o corpo receba todos os nutrientes que necessita.

6 – Menos sal. O sal é um perigo para a saúde de qualquer pessoa pois aumenta a quantidade de sódio no sangue fazendo com que o organismo retenha água , sobrecarregando rins e coração;

7 – Menos alimentos calóricos. O excesso de alimentos com grande quantidade de caloria deve ser evitado. Deve se seguir a risca a dieta que fora repassada pelo profissional de saúde;

8 – Buscar informações sobre a doença. É necessário obter informações para que se possa combater a doença estando ciente de riscos e de como o tratamento funciona no organismo;

9 – Buscar ajuda profissional. Lidar com a doença pode ser muito difícil sem uma ajuda psicológica, nutricional, terapêutica. Esses profissionais estão dispostos a ajudar e podem fazer diferença na adaptação de sua rotina de tratamentos;

10 – A prática de exercícios físicos. As atividade físicas melhoram o corpo humano como um todo. Agregam melhor resistência, mobilidade, flexibilidade, fortalece ossos, melhora a frequência cardíaca, entre outros diversos benefícios;

11 – Consultas regulares ao médico. Deve-se ir sempre fazer exames e avaliar  progressão da doença, para medir a eficácia do tratamento, medir se houve o não um desenvolvimento e avaliar a saúde do paciente;

12 – Aceitar a doença. A não aceitação da doença a torna ainda mais difícil de ser tratada, pois não há empenho do paciente em controlá-la;

13 – Aceitar ajuda. Em alguns casos a doença limita movimentações e atividades diárias do indivíduo. Recusar ajuda faz com que a rotina seja cansativa, o desgaste físico incômodo e a situação cada vez mais difícil;

14 – Não se permitir viver. Possuir uma doença crônica não impede o paciente de viver uma vida normal, apenas com cuidados extras. A diversão e socialização são elementos chave para administrar a doença.

15 – Buscar por  Programas de Suporte ao Paciente. Esses programas são eficientes, rápidos no suporte em qualquer chamado do paciente, aumentam as taxas de melhora nos tratamentos, pois acompanham cada indivíduo de forma personalizada, informam e tiram dúvidas constantes. São programas específicos para doentes crônicos, disponibilizando um grande índice de melhor acesso à saúde.

A AzimuteMed é referência em Suporte ao Paciente e Suporte ao Diagnóstico no Brasil. Obter esse benefício agrega valor às indústrias, aos profissionais da saúde, e agrega qualidade de vida aos paciente.

Programa de suporte ao paciente e diagnóstico
Programa de suporte ao paciente e diagnóstico